CATARSE DE HUMANISMO

catarse

O significado da palavra catarse é importante em várias situações da nossa vida. Ela se aplica à psicologia, psicanálise, medicina e teatro, sempre representando a libertação do que nos entala de alguma forma. Esta é uma palavra definitivamente forte pra mim, dessas que associam o som ao significado de peso. Mas me diverti com essa nova dimensão de seu significado.

O PERFIL DA CATARSE


Despenquei-me sobre o vaso e a frieza da louça unida à sensação de dejetar levaram-me ao prazer da catarse, como à loucura de ácidos. Uma cadeira elétrica, cheia de circuitos de emoção, onde morro condenado para renascer em outras digestões. Um fenômeno alucinante que ativa os pensamentos. É uma cadeira de pensar!

Adrenalina, como se os suprimentos do corpo saíssem em desfile festivo. O raciocínio dispara e muitas reflexões involuntárias se propõem. A primeira tendência é meter a cara nos óculos pra qualquer pedaço de ler. Isto não é privilégio de ninguém, é amigo de todos, assim como outros prazeres associadas ao segredo e que, apesar de tanto valor terem, estão ao alcance de todos.

Segundo as regras da elegância, não pode falar sobre isso, a não ser em situações específicas que o exijam. Mas não fosse pelo comprometimento químico do dejeto, este prazer seria citado entre os vinhos mais caros da vida. Não é à toa que reis da Europa antiga honravam seus convidados com o privilégio de assisti-los nesse exercício. E um dado curioso que para alguns prazeres, vitaliza-se a funcionalidade, mas a poesia se cala. É um bem que idealizamos, mas que fica sob o cárcere das chaves da chamada boa educação.

Com o advento da modernidade e o desgaste da nobreza frutificou-se um tosco modo. Não é honra pra ninguém assistir essas tarefas, nem mesmo entre casados, mas é um desafio jocoso, que alguém sobre isso comente. Todo modo ninguém nega o esplendor desse momento, e se isto me pareceu óbvio, também acentuou minha indiscrição.  A visão que me comove é a agonia do livramento do que me sobra no corpo. Não sei se mais a franqueza com que expulso o que não desejo, mas há um grito contido, qualquer coisa de gemido; até que encerre a expedição e retome o seio das gentes.

Leia mais blogodórios:

Metáfora de Homem – Conto

FACEBOOK O PARAÍSO SINTÉTICO


Links externos e informativos

Veja mais sobre catarse

Sobre a hierarquia das necessidades 


Beijos fraternos, fortes abraçosPerfil ogro

Cleofas Bezerra

blog@blogodorio.com

[contact-form-7 id=”1498″ title=”Lista Blogodório”]


Mais….

Microcontos

Outros…

Projetos culturais

Artesanato Barroló

Produção cultural na Vila Barroló

Projeto Feito Barro Nossa Arte


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *